Os hipertextos de Murilo

Vivendo em um tempo anterior à internet, à facilidade e rapidez da comunicação contemporânea, ao hipertexto, Murilo Rubião abriu grandes leques hipertexuais. As cartas que escreveu e recebeu tanto trazem um direcionamento mais factual, ligado a questões pontuais do mundo da vida, à ajuda aos amigos - como podemos ver naquelas recebidas de João Cabral de Melo Neto ou de Murilo Mendes, como também trazem profundas reflexões sobre a vida e a arte literária, como podemos ver naquelas recebidas de Mário de Andrade e Fernando Sabino.

As correspondências, por um lado, mostram alguns laços mais circunstanciais e interesses mais imediatos, de acordo com os cargos que Murilo ocupara na Rádio Inconfidência, no Suplemento Literário, na Fundação de Arte de Ouro Preto, etc. Mas mostram também o discurso acolhedor e ácido daqueles que permaneceram amigos a vida inteira, como Otto Lara Resende, Paulo Mendes Campos, Hélio Pellegrino e Fernando Sabino, entre outros.

A grande rede hipertextual trançada por Murilo Rubião diz muito de seu caráter de homem público, amigo de críticos, escritores e poetas representantes das mais diversas correntes intelectuais, como notamos, por exemplo, na correspondência com Antônio Candido e Haroldo de Campos. Murilo quebra barreiras, mostra-se um homem moderno, não sectário, aberto a múltiplas possibilidades de relacionamento, de “negociação” e de invenção. Assim, sem ter medo do desafio, sem se furtar ao estranhamento, ao que é diferente mas pode caminhar ao lado, desenhou em fortes cores a sua vida e a sua produção artística.

De forma subliminar, através das cartas e das críticas aqui presentes - uma mostra das centenas de documentos presentes no acervo do escritor -, conhecemos melhor não só Murilo Rubião, mas também aspectos fundamentais da arte e da cultura mineira e brasileira do século XX. E o escritor deixou aí sua assinatura firme e sonhadora.

Através dos textos e hipertextos podemos conhecer singulares desdobramentos da vida de Murilo, seus momentos de conquista e de perda; o homem que acreditava nos jovens talentos e na cultura mineira; que esteve à frente do governo JK em Minas, mas que posteriormente teve seus momentos de angústia frente ao descaso com a produção cultural; que passou anos sem que ninguém quisesse publicá-lo, mas como resposta criou o Suplemento Literário para publicar todos aqueles que tinham algo a dizer; que gostava de viver só em Belo Horizonte, mas sempre nos bares, cercado de amigos; e que, ao escrever, repetia, repetia para ser cada vez mais surpreendente.

Roniere Menezes


Carlos Drummond
Fernando Sabino
Henriqueta Lisboa
João Cabral
João Etienne
Mario de Andrade
Murilo Mendes
Murilo Rubião
Pedro Nava
Silviano Santiago
Várias
© 2012 . Murilo Rubião . Todos os direitos reservados